terça-feira, 14 de junho de 2011

Projeto de casa pousada totalmente sustentável para artistas literários.

CASA CORA CORALINA 

ABL (Abrigo Brasileiro de Literatos)





Projeto de casa pousada totalmente sustentável para artistas literários.



“Escritores talvez sejam enquadráveis, tecnicamente, na categoria de comunicadores, e sem dúvida sempre houve os que se notabilizaram mais pelo talento promocional do que pela qualidade do texto. Isso não muda o fato de que escrever requer uma medida de recolhimento, de silêncio mental, sem a qual é impossível distinguir o que é a própria voz e o que é a gritaria do mundo.”


Sergio Rodrigues




Tendo em vista que a arte da escrita criativa requer na maioria dos casos, um certo recolhimento e tempo para que o escritor possa organizar suas idéias sem a interferência do caos e grande fluxo de informações presente nas grandes cidades, o que faz o processo criativo ficar muito prejudicado, e que apenas alguns poucos privilegiados podem dispor de um lugar tranqüilo para exercer o oficio da escrita, percebe-se a necessidade, de um local que possa agregar por um período, como um retiro, escritores iniciantes, ou pessoas criativas que por questões financeiras ou familiares, não têm facilmente acesso a tais facilidades.



A idéia é uma casa nos moldes de uma pousada simples, construída de forma totalmente sustentável, utilizando materiais reutilizáveis, tanto na construção como na decoração. Para isso utilizaremos um terreno no município de Bofete-SP.






 Essa casa será um local para abrigar escritores em fase de produção de seus trabalhos, onde os hóspedes poderão utilizar, um lugar tranqüilo e voltado para a criação, com todo o suporte de computador, impressoras fax, etc. por um tempo pré determinado.



Como recompensa para os apoiadores, poderemos oferecer livros dos autores envolvidos no projeto, CD e DVD com imagens do desenvolvimento do projeto, e estadias totalmente gratuitas na casa-pousada, por períodos pré determinados.





A CASA COMPÕEM-SE DE:



2 QUARTOS ( tipo alojamento – Masculino e Feminino)



1 ESCRITÓRIO



1 SALA



1 COZINHA



1 VARANDA






Recompensas para os apoiadores


- Livro de autores parceiros do projeto

- CD e DVD do Desenvolvimento do projeto

- Gravação do nome dos apoiadores em objetos da casa

- Convite para a festa de lançamento da casa

- Estadia na casa de 05 a 30 dias



http://www.facebook.com/home.php?sk=group_152380818167841


Obs: As imagens que ilustram este texto são de caráter meramente ilustrativo.


segunda-feira, 13 de junho de 2011

Bofete recebe premio de Município Verde




22/12/2010 - Bofete recebe premio de Município Verde

A Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo divulgou, na sexta-feira, 17/12, em cerimônia no Palácio dos Bandeirantes, o ranking ambiental dos municípios paulistas de 2010. Mais de 100 municípios foram consagrados este ano com o certificado do projeto, inclusive Bofete. Isso significa que mais de 15% das cidades do Estado alcançou média acima de 80 – em uma avaliação que varia de zero a 100, e serão reconhecidas pelo exemplo ambiental.
O certificado de Município Verde garante à administração municipal a prioridade na captação de recursos junto ao governo do Estado. O evento cotou com a presença dos prefeitos das 645 cidades avaliadas no Projeto. Os municípios receberão uma nota ambiental, que avalia o seu desempenho em dez diretivas que regem o Projeto Ambiental Estratégico Município Verde: Esgoto Tratado, Lixo Mínimo, Recuperação da Mata Ciliar, Arborização Urbana, Educação Ambiental, Habitação Sustentável, Uso da Água, Poluição do Ar, Estrutura Ambiental e Conselho de Meio Ambiente.
Lançado em junho de 2007, o Projeto Município Verde Azul tem como principal proposta descentralizar a agenda ambiental paulista, considerando que a base da sociedade está nos municípios. Em 2008, na divulgação do primeiro ranking, 44 municípios alcançaram nota igual ou superior a 80. Em 2009, foram 168. O objetivo é descentralizar a política ambiental, ganhando eficiência na gestão ambiental e valorizando a base da sociedade.
O prefeito de Bofete, Claudécio José Ebúrneo (Torão) recebeu o certificado acompanhado do vice-prefeito José Cassemiro, do vereador Graciliano Ramos, Engº. Leandro Biral e do assessor de cultura Zezinho Ramos. É importante ressaltar o papel do Departamento de Meio Ambiente nesta conquista, porque através de muito trabalho, vários projetos já foram desenvolvidos: Construção do Parque do Trevo; coleta de óleo de cozinha usado para transformar em sabão; reciclagem interna de papel e copo plástico; aproveitamento de caixinha de leite para formação de mudas; programa de medição de poluição (fumaça preta) da frota municipal, etc.
Para despertar a consciência de preservação ambiental nas crianças, foi levado para dentro da escola o “Projeto Criança Ecológica”; foram realizadas gincanas de Educação Ambiental, competições, etc. Com essas ações Bofete vem melhorando sua classificação no programa Município Verde, com as notas de 54,4 em 2008, 77,3 em 2009 e agora .................... É importante lembrar que preservando a natureza, estamos preservando a vida. Todos estão de parabéns.

sábado, 9 de janeiro de 2010

2010 é declarado Ano da Biodiversidade pela ONU



A ocupação desordenada de áreas naturais, a exploração predatória de recursos da natureza e a poluição são algumas ações humanas que têm trazido sérias consequências, levando o planeta a perder cada vez mais espécies animais e vegetais.

Para chamar a atenção ao problema, a Organização das Nações Unidas (ONU) declarou 2010 o Ano Internacional da Biodiversidade. Um dos eventos que abre oficialmente o programa acontece em Curitiba, nesta sexta-feira (8/1): a Convenção em Diversidade Biológica: http://www.cbd.int/2010/. O evento é abrangente e inclui discussões de como agir para defender a diversidade de espécies, também em áreas urbanas.

Ela reúne autoridades governamentais do Brasil e do exterior, representantes da ONU e pesquisadores. O Programa Biota-FAPESP participa, representado pelo professor Roberto Gomes de Sousa Berlinck, do Instituto de Química de São Carlos, da Universidade de São Paulo.

“A natureza é uma rede extremamente intrincada que precisa ser mantida para a vida existir. Porém, essa harmonia tem sido cada vez mais ameaçada”, disse Berlinck sobre a importância da coexistência das espécies.

Com informações da Agência Fapesp Tags: biodiversidade, eventos
Construir com a terra foi tradição durante séculos e hoje ainda podemos ver a beleza e resistência de prédios erguidos sem cimento, como igrejas históricas por todo o Brasil, ou o convento da Luz de 1774, em São Paulo, por exemplo.O movimento das ecovilas re-ensina estas técnicas, que aproveitam os recursos oferecidos em abundância pela Natureza, sem queima ou uso de energia. O pessoal da Ecovila Clareando pôs a mão na massa e mostrou a eficiência de um pau-a-pique, feito com muito capricho. Confira:




terça-feira, 3 de novembro de 2009

CARTA ESCRITA EM 2070 DC





Carta escrita em 2070:


"Estamos em 2070, completei 50 anos, mas pareço com alguém de 85.
Tenho sérios problemas renais, bebo pouca água. Creio que finda meu tempo. Hoje sou dos mais idosos nesta sociedade.
Recordo dos meus 5 anos; tudo muito diferente: muitas árvores nos parques, belos jardins, desfrutava de banhos de chuveiro por mais de hora. Agora usamos toalhas em azeite mineral pra limpar pele. Antes, mulheres de formosas cabeleiras. Agora, cabeças raspadas, para mantê-las limpas sem água.
Antes, meu pai lavava carro com água de mangueira. Hoje, meninos não acreditam que se usava água pra isso.
Muitos anúncios diziam CUIDA D´ÁGUA; ninguém ligava; pensávamos que água jamais se esgotaria.
Agora, rios, barragens, lagoas e mantos aqüíferos, todos estão irreversivelmente contaminados ou esgotados.
Antes, a quantidade de água ideal para cada pessoa adulta beber era oito copos por dia. Hoje só posso beber meio copo.
A roupa é descartável, o que aumenta demais a quantidade de lixo; voltamos a usar poços sépticos (fossas), como no passado, redes de esgotos sem água são inúteis.
A aparência da população é horrível; corpos desfalecidos, enrugados pela desidratação, cheios de chagas na pele (raios ultravioletas já não têm a capa de ozônio que os filtrava na atmosfera).
Imensos desertos são a paisagem que nos rodeia por todos os lados. Infecções gastrintestinais, pólipos no intestino, enfermidades da pele e das vias urinárias são as principais causas de morte.
O volume de biópsias fez crescer o número de laboratórios.
A indústria parou e o desemprego é dramático.
As fábricas de dessalinização são a principal fonte de emprego, e pagam-me com água potável ao invés de salário.
Assaltos por um bidão de água são comuns nas ruas desertas.
A comida é 80% sintética. Ressequida, a pele de uma jovem de 20 anos está como se tivesse 40. Os cientistas investigam, mas não há solução possível.
Não se pode fabricar água, o oxigênio também está degradado, faltam árvores, o que diminuiu o coeficiente intelectual das novas gerações.
Alterou-se a morfologia dos espermatozóides de muitos indivíduos, há muitos meninos com insuficiências, mutações e deformações.
O governo até nos cobra pelo ar que respiramos: 137 m3 por dia por habitante adulto.
Os acionistas de empresas que tratam água ficaram ricos e têm preferência no fornecimento. Pessoas que não podem pagar são retiradas das "zonas ventiladas", dotadas de gigantescos pulmões mecânicos que funcionam com energia solar; mesmo não sendo de boa qualidade ainda podemos respirar; a idade média é de 35 anos.
Em alguns países ficaram manchas de vegetação com o seu respectivo rio, que é fortemente vigiado pelo exercito; a água tornou-se um tesouro muito cobiçado, mais que ouro ou diamante.
Aqui, em troca, não há árvores porque quase nunca chove e, quando chega a registrar-se, a precipitação é de chuva ácida; as estações do ano têm sido severamente transformadas pelas provas atômicas e pela indústria contaminadora do século XX.
Advertia-se que havíamos de cuidar do meio ambiente, e ninguém fez caso. Quando minha neta me pede que lhe fale de quando era jovem, descrevo o bonito que eram os bosques, lhe falo da chuva, das flores, do agradável que era tomar banho e poder pescar nos rios e barragens, beber toda a água que quisesse, o saudável que era a gente.
Ela pergunta-me: Vovô! Por quê a água se acabou? Então, sinto um nó na garganta; não posso deixar de sentir-me culpado, porque pertenço à geração que terminou destruindo o meio ambiente, ou, simplesmente, não tomamos em conta tantos avisos. Agora os nossos filhos pagam alto preço e, sinceramente, creio que a vida na terra em breve já não será possível, porque a destruição do meio ambiente chegou a um ponto irreversível. Como gostaria voltar atrás e fazer com que toda a humanidade compreendesse isto, quando ainda podíamos fazer algo para salvar o nosso planeta terra!"
John Vask
Documento extraído por um desconhecido da revista biográfica "De Los Tiempos" de abril de 2002.
FAZ CHEGAR ESTA MENSAGEM A TODAS AS PESSOAS QUE CONHEÇAS.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Google paga 10.000.000 por projeto ou idéia que possa ajudar o mundo.

O google está dando a oportunidade para pessoas com algum projeto ou idéia que possa ajudar o mundo.

Os 5 melhores projetos ganham $10.000.000 cada.No final o que você ganha? Reconhecimento, sensação de dever cumprido...


Comunidade, Energia, Meio-ambiente, Saúde, Educação, Moradia, outro.

-Comunidade: Como podemos ajudar a conectar pessoas, criar comunidades e proteger culturas específicas?

-Oportunidade: Como podemos ajudar pessoas a cuidarem melhor de si mesmas e de suas famílias?

-Energia: Como podemos fazer o mundo se voltar para a energia segura, limpa e barata?

-Ambiente: Como podemos ajudar a promover um ecossistema global mais limpo e mais sustentável?

-Saúde: Como podemos ajudar indivíduos a viverem mais e com mais saúde?
Educação: Como podemos fazer com que mais pessoas obtenham acesso a uma educação melhor?

-Moradia: Como podemos ajudar a garantir que todos tenham um lugar seguro para viver?

-Tudo mais: Em algumas ocasiões, as melhores idéias não se encaixam em nenhuma categoria.